Sábado, 12 de Abril de 2008

ExGaD Hands On: No More Heroes (Wii)



   Bem-vindos a Santa Destroy. Ou melhor, bem-vindos à mente genial e peculiar de Suda 51.


Ai... onde vai essa mãozinha!?

 

   Killer 7 foi um jogo que poucos deram o devido valor na altura em que foi lançado. Tornou.-se rapidamente de um clássico de culto, não só pela sua direcção artistica única, mas pela abordagem de temas de tal forma polémicos que fazem o “hot coffe” parecer uma aula de catequese.


O homem, a lenda... o coveiro.

 

   No More Heroes trouxe consigo o mesmo estilo visual e musical, mas a jogabilidade não poderia ser mais destinta. Somos colocados na pele de Travis Touchdown  (os jogos da Grasshoper trazem sempre personagens com nomes muito engraçados), um otaku americano com um penteado inspirado no rei do Jackass: Jonnhy Knoxville.



"Olá! Chamo-me Travis e sou um idiota!
Quase tão grande como o Shiryu!"

 

   Após ter ganho num leilão online um sabre de luz (fãs de Star Wars: Simm este jogo é para voçês!) decide dar uso ao mesmo, envetualmente cruzando caminho com a “femme fatale” do jogo, Silvia Christel, uma loura em tamanho compacto, a qual até hoje continuo sem perceber se é ou não a personagem feminina mais irritante da história dos videojogos.


Loura e irritante!

Hei-de acabar com uma assim... (T_T)

 

   Após ter dado a volta facilmente a Travis (é parvo E burro ao mesmo tempo, grande Travis!), colocou-o num campeonato entre assassinos, onde Travis despachou “The Drifter”, rank #11, passando assim a ocupar assim essa posição e não tendo outra escolha senão continuar até chegar ao rank #1 ou passar a ser mais uma estatística.



Uma das mais memoráveis boss battles do jogo!

 

   É aqui que o jogo vos larga Travis ao vosso controlo. As suas aventuras (desventuras?) são uma experiência única, uma mistura de vários estilos de jogo, quase todos muito bem conseguidos e que por muitas vezes tocam no perfeito. O quarto do hotel de Travis é um monumento aos otaku. Posters de anime e uma extensa collecção de action figures proliferam, sendo que a parte mais “humana” de Travis se revela com a sua única companheira de quarto, a gata Jean com a qual podemos interagir de algums formas divertidas e que servem muito bem para relaxar entre missões. Aqui podem também fazer “save” da forma mais original de sempre: uma ida rápida à latrina que passa por casa-de-banho do seu quarto (os famosos e já miticos “saves de merde”).

 

Palavras... para quê?

 

   Porta fora espera-vos Santa Destroy. Uma cidade habitada por peões sem alma que pouco mais servem do que para serem atropelados. É também aqui que vão travar conhecimento com a vossa mota, que parece saida de Akira (fãs de anime: Sim, este jogo é para vocês!). A bina tem alguns truques engraçados a seu dispor, os quais deixo à vossa descoberta, sendo que rapidamente se torna essencial para explorar esta psicótica cidade americana.



A vossa melhor amiga de passeio. 


   Em explorar está parte do gozo de No More Heroes. Por algum motivo que me escapa, os habitantes deitam para o lixo dinheiro e t-shirts fabulosas pelos caixotes da cidade. Passei grande parte do tempo de jogo a arranjar os diversos tipos de t-shirts que com outras peças de roupa compradas na loja Area 51 permitem um bom nível de costomização a Travis.


Passei mais tempo à frente deste espelho do que alguma vez fiz na vida real!

Sad but true...

 

   Existem ainda outros tipo de colecionáveis que vos iram permitir aprender novas técnicas de combate, assim como outras lojas de interesse, como a da bela Drª Naomi com os seus sabres de luz e acessórios, o ginásio onde um gajo esta sempre a mandar-nos despir (não perguntem...) que nos permite treinar um puco como G.T.A. San Andreas, mas de forma mais divertida devido ao uso do Wiimote, um Centro de Emprego que nos permite ter tarefas divertidas como apanhar gatos perdidos, limpar grafitti de paredes ou apanhar lixo do chão de forma a ganhar uns dólares e tickets de entrada para serem usados no “outro Centro de Emprego” onde nos dão missões de assassinatos. O dinheiro é usado principalmente para poderem se increver na proxima luta para subir de rank. Como videojogo, este esquema funciona!



Um dos trabalhinhos divertidos: pontapeador de àrvores.

Erm, perdão, isso seria imoral... 


   Tantos parágrafos e ainda não vos falei do sistema de luta. Como podem imaginar, o sabre de luz corta muito bem pessoas. Claro, na nossa versão mariconça europeia, os enimigos transformam-se em espetaculares chuveiros de cinza e o moedas. Sinto estar a perder grande parte da experiência sem as fontes de sangue e desmembramentos da versão americana... mas nada a fazer. Travis é controlado com o stick analógico, enquanto golpes de sabre ficam a cargo do botão A e luta corpo a corpo no botão B. Existe uma variedade bastante ampla de combinações possíveis, tornando as lutas (nomeadamente contra os bosses) num verdadeiro bailado de sinestesia audiovisual. Os golpes fatais são desferidos através de gestos de ambos Nunchuk/Wiimote e funcionam muito bem. Aliás, toda a implementação de movimentos dos comandos únicos da Wii está muito bem conseguida, um bom trabalho da Grasshopper.


Drª Naomi, a vossa dealer de lighsabers. "Moe"!

 

   A parte que estou mortinho por vos contar: Wrestling! Suda 51 é um fã incondicional de wrestling, nomeadamente “lucha libre”, a sua vertente mexicana (sim, fãs de wrestling: Este jogo é para vocês!) e isso nota-se em todo o jogo. Travis é um ex-lutador de “lucha”. Coleciona máscaras de luchadores e sabe logo à partida alguns golpes. Por vezes encontra máscaras com recados do seu velho mentor. Ao fazer tal descoberta, aprende um novo golpe. Outra forma de aprender novos truques é ir ao video clube local, comprar VHSs de wrestling, ir ao nosso quarto e vê-las no vídeo. O seu uso é muito divertido e muito bem implementado. Quando forem a desferir um golpe fatal, em vez de usarem o sabre, podem fazer uma pega ao vosso adversário. O golpe que lhe desferem depende do vosso posicionamento em relação ao dito e para o executar, é necessário fazer os gestos que vão surgindo no ecrã para concluir de forma correcta o golpe. Os senhores que fazem jogos de wrestling deviam tomar nota disto!

 


Somos demasiado mariconços para vermos destas coisas.

Os japoneses também são.

Isto só é seguro na América, porque só lá é que as pessoas sangram assim.

 

   No More Heroes é mais que um jogo, é um estado de espirito, uma peça de arte contemporânea em formato videojogável. Os seus aspectos mais fracos como alguns glitches irritantes quando andamos de mota ou o facto de precisarmos de fazer “grind” até termos dólares suficientes para conseguirmos pagar a entrada da próxima ranked match são facilmente perdoado pela experiência no seu todo. Um exclusivo Wii que de facto só funcionaria na consola da Nintendo, mesmo que o seu público nativo o tenha criminalmente deixado ficar nas prateleiras. Apelo a que vocês que me lêem não o façam. É o produto de uma mente única e brilhante que se escode sobe o pseudónimo 51 e, se No More Heroes criar público, Suda já demonstrou interesse em criar uma sequela. Quem sabe, desta vez nos chegará sem censura... mas para já, Travis Touchdown foi sem dúvida alguma o maior “Herothird party a passar na minha Wii (sim, é mesmo tão bom como Zack & Wiki!).



Não interessa o que digam que wrestling é tudo a fingir, isto tem de doer!

   Admito, não é para todos, é para aqueles que tiverem coragem e uma mente aberta a novas experiências. Mas para ser sincero, no meio de tanto lixo que temos hoje nas pratelerias, até nem é assim tão incrível um jogo que tem uma loura, motas, gatos, sabres de luz, wrestling e t-shirts que dizem “Viva Mexico!” ser do meu agrado, né? No entanto, um conselho: Não deixem qualquer elemento do sexo feminino vos apanhe a recarregar o sabre de luz. Confiem em mim, vão ouvir bocas até ao fim dos vossos dias...



\(^o^)/
 

+ Estilo artístico único.

+ Banda sonora fenomenal.

+ Uma experiência digna da Wii.

+ Imensas referências culturais deliciosas

+ Viva Mexico!

- Parte do jogo de viajar na mota pouco polida.

- Não é para petizes.

- Onde tá o sangue!? E os gajos às fatias!?


 

Gráficos:
Som:
Jogabilidade:
Uso do Wiimote:
Enredo:

Nota Final:

Distribuição Nacional: !?
Classificação Etária: +16
PVP: €?

Prrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr.... meow!


[= ExGaD Seal of Awesome =]


So say the Lost Vikings!

Shiryu       
Estadus Psicologicus:

Da mente extraordinária de Shiryu às 20:39
Postus Linkus | Adeptus Comentarius | Adeptus Adicionarius Favoritus
4 comentários:
De Gambly a 12 de Abril de 2008 às 21:34
O jogo é tudo o que o shiryu referiu na review... quer dizer, é ainda melhor! Vale a pena, se têm +16, comprem já, é um must! Se ainda não têm e estão quase, comprem na mesma e esperem pelos 16+, se ainda falta muito... humm, comprem na mesma mas dêem ao papá e mamã para jogar (mas não sei se eles vão ficar mt felizes com a prenda)...

A todos os que têm um a wii, têm de comprar este jogo, custe 70 ou 50 euros, têm de o ter. O Shiryu sabe sabe...


De Shiryu a 12 de Abril de 2008 às 21:55
E ainda ficaram parágrafos por escrever...

VANILLA STRABERRY CHOCOLATE SUNDAE!



De luxxx a 14 de Abril de 2008 às 03:28
Suda é um tipo muiiiiiiiiiito estranho.


De Shiryu a 14 de Abril de 2008 às 10:51
Mas faz jogos ao meu estilo. Mal posso esperar pelo "Project S" com Hideo Kojima. :D


Comentarius Postus

Adeptus

Adeptus Pesquisaris

 

Julho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Recentis Postus

Weekendus: KO! Shiryu is ...

Shiryu Music: Novo álbum ...

SNES: Anúncio de "Super C...

Multi: Trailer de "H.A.W....

Shiryu Music: "-Watcha ne...

Adeptus Cinefilus: Novas ...

Wii: Trailer de "The Last...

"Super Mario Bros Leftove...

Artisticus: Flag of our M...

Artisticus: Gaming Supern...

E3 2010: O melhor da Wii

PC: Demo de "Megaman 8-bi...

E3 2010: And the winners ...

O verdadeiro Paper Mario!

Capcom revela daqui a doi...

DSiware: Trailer de "Soul...

PC: Robotz DX

Megadrive: Mega Mario Bro...

Wii: Primeiros detalhes d...

Adeptus Musicalis: "Faith...

Weekendus: Shiryu, o Maso...

Wii: NBA Jam com Toque Má...

Shiryu Music: "Another Ni...

GC: Master Hand... jogáve...

Roger Ebert dá o dito por...

Artisticus: Darius Twitte...

Adeptus Animus: Trailer d...

Wii: Detalhes de Batman T...

Wii: Detalhes de Driver S...

Mega64 apresenta Truthpho...

E3 2010: Konami... porquê...

Do the Evolution!

Defeat... ou será que não...

Adeptus Musicalis: Orbita...

360: Spot do novo modelo

Shiryu Music: Brevemente....

Extordinaria TV: Donkey F...

Multi: Dose dupla de Tron...

Wii: Documentário de Tron...

Weekendus: Super Mario Br...

Super Shiryu Land: E3 201...

DS: Vídeo de River City S...

Wii: Primeiras imagens de...

PSP: Aviões de Ace Combat...

Artisticus: Viva Itália!

Shiryu Music: "Flynn Live...

Multi: Vídeo comentado de...

Extordinaria TV: Good new...

Multi: Vídeo de Mortal Ko...

Extordinaria TV: Jimmy Fa...

Adeptus Arquivus

Julho 2010

Junho 2010

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

tags

todas as tags

Adeptus Linkus

Adeptus Counter

ExGaD Adeptus Counter

Impacientus Infinitus

SAPO Blogs

subscrever feeds